Retrospectiva James Bond [1964-1967]

Continuo aqui a minha retrospectiva da filmografia integral do James Bond. Hoje falo sobre três filmes icónicos da era Sean Connery e de como dois deles merecem esse título.

007 - Contra Goldfinger (Goldfinger), 1964, dir. Guy Hamilton

007 - Contra Goldfinger definiu, para o bem e para o mal, o template para o resto do legado dos filmes do James Bond. Mais ênfase nos elementos hi-tech e nos gadgets, humor mais óbvio, Bond Girls com trocadilhos no lugar de nomes - Pussy Galore - e vilões com características e armas únicas e inesquecíveis - neste caso Oddjob e o seu chapéu letal.

É verdade que a história não é brilhante - James Bond passa metade do filme como prisioneiro/convidado do vilão que dá título ao filme mas a sensação de diversão de Sean Connery, algumas imagens marcantes - o corpo dourado - e cenas de acção emocionantes tornam este um dos filmes da série a que apetece voltar.

7/10 martinis

 


007 - Operação Relâmpago (Thunderball), 1965, dir. Terence Young

Depois do crescendo de qualidade dos três primeiros filmes James Bond tropeça em 007 - Operação Relâmpago. Muito apreciado por alguns dos fãs da série é, no entanto, um filme demasiado longo com uma narrativa confusa recheada de cenas desconexas e inconsequentes.

As cenas de acção sub-aquáticas não produzem a adrenalina desejada tornando-se aborrecidas e confusas. 007 - Operação Relâmpago acentua o ênfase nos gadgets em detrimento do desenvolvimento dos personagens no que se tornaria um hábito nos filmes posteriores de menor qualidade. 

5/10 martinis


007 - Só Se Vive Duas Vezes (You Only Live Twice), 1967, dir. Lewis Gilbert

007 - Só Se Vive Duas Vezes é o primeiro guilty pleasure confesso desta série. Escrito surpreendentemente por Roal Dahl, o popular escritor infantil, é um filme datado, tanto visualmente como em termos do tratamento das mulheres.

Apesar disso é um dos filmes com mais elementos como imediatamente reconhecíveis do James Bond. A saga Austin Powers parodia quase na íntegra os elementos desta entrada na série.

O enquadramento da corrida espacial, a base secreta, o visual de Blofeld, mais o seu gato, são tudo elementos marcantes que, com a ajuda do tema do genérico de abertura, interpretado pela Nancy Sinatra, ajudam a fazer de 007 - Só Se Vive Duas Vezes, a par com 007 - Contra Goldfinger, o melhor capítulo do agente secreto interpretado pelo Sean Connery.

7/10 martinis


O mestre John Carpenter

2015, o ano em que regressámos ao futuro