Reposição episódio #10 - Star Wars: O Despertar da Força (2015) / As Aventuras Ewok (1984 e 1985)

Neste episódio, em preparação para a antecipada estreia de Os Últimos Jedi, recupero o episódio #10 onde analisei O Despertar da Força, o capítulo VII da saga Star Wars que relançou uma nova trilogia, na era pós-George Lucas, para toda uma nova geração, e onde, por alguma razão, também abordei os dois telefilmes dos anos 80 protagonizados pelos Ewoks, celebrizados n’O Regresso de Jedi: A Caravana da Coragem e A Conquista de Endor.

Episódio #110 – I Love You, Daddy (2017) / The Disaster Artist (2017) – LEFFEST'17

Neste episódio partilho dois filmes exibidos no âmbito da mais recente edição do LEFFEST, o festival de cinema que este ano se dividiu entre Lisboa e Sintra. I Love You, Daddy, o filme de Louis C. K. cuja distribuição foi colocada em causa pela polémica recente que envolveu o autor, e The Disaster Artist, uma realização de James Franco sobre The Room, o pior filme de sempre que inspira animadas exibições desde a sua estreia em 2003.

Episódio #109 – Depois do Anoitecer (1987) / 30 Dias de Escuridão (2007)

Neste episódio ofereço um olhar alternativo sobre o mito vampírico. Depois do Anoitecer é um filme de 1987 da oscarizada Kathryn Bigelow que coloca um bando ermita de vampiros num cenário poeirento de faroeste; 30 Dias de Escuridão é a adaptação de 2007 da novela gráfica do mesmo nome realizada por David Slade que coloca a mítica criatura numa cidade do Alasca onde a noite polar reina durante um mês inteiro. 

Episódio #107 – Southland Tales (2006)

Neste episódio recupero Southland Tales, o segundo filme de Richard Kelly após Donnie Darko estreado em Novembro de 2007. Apesar do sucesso do filme de estreia, Southland Tales foi mal recebido por público e crítica. Passados dez anos, será um filme incompreendido ou o desastre que foi apontado na altura?

Episódio #106 – Frankenstein Júnior (1974) / Frankenstein de Mary Shelley (1994) – Especial Dia das Bruxas

Neste episódio faço uma pausa no ciclo mensal de vampiros e zombies para celebrar o Dia das Bruxas à gargalhada na companhia de Victor Frankenstein e da sua criação monstruosa. Vou falar de Frankenstein Júnior, uma comédia de 1974 de Mel Brooks a partir de uma ideia de Gene Wilder, e de Frankenstein de Mary Shelley, o bombástico filme de Kenneth Branagh de 1994 onde o autor, em nome da fidelidade ao texto original, revela de peito feito a sua forma física.

Episódio #104 – Nunca Me Deixes (2010) / Ex Machina (2014)

Neste episódio olhamos sobre a obra do mais recente receptor do Prémio Nobel da Literatura Kazuo Ishiguro, em particular Nunca Me Deixes, uma adaptação de Alex Garland do livro de 2005 com o mesmo nome. Na segunda parte, recordamos a estreia do jovem argumentista na realização em 2014 com Ex Machina, uma história original que partilha algum do ADN temático com o romance do autor recentemente galardoado.

Episódio #103 – Blade Runner 2049 (2017)

Neste episódio convido-vos a uma viagem ao futuro. Mais precisamente até 2049, trinta anos após os acontecimentos de Blade Runner: Perigo Iminente. Denis Villeneuve substituiu Ridley Scott na cadeira de realizador e, em Blade Runner 2049, propõe um reencontro com Rick Deckard, a personagem interpretada por Harrison Ford que pode ser a chave para um mistério do passado investigado pelo agente K., a nova personagem central encarnada por Ryan Gosling.

Episódio #101 – mãe! (2017) / O Anjo Exterminador (1962)

Neste episódio visitamos mãe!, o divisivo filme de Darren Aronofsky, o realizador de A Vida não é um Sonho e Cisne Negro, uma alegoria disfarçada de filme deterror psicológico com Jennifer Lawrence no papel central. Somos também convidados para um jantar surreal em O Anjo Exterminador, um filme de 1962 de Luis Buñuel, apontado por Aronofsky como inspiração para a sua mais recente obra.

Episódio #100 – O Soro Maléfico (1985) / Morte Cerebral (1992)

Neste centésimo episódio celebro o espírito de série B que me inspirou originalmente na criação do Segundo Take ao revisitar dois filmes de terror pincelados com uma tendência exagerada e cómica para mostrar sangue e tripas: O Soro Maléfico, realizado por Stuart Gordon em 1985 a partir de uma história de H. P. Lovecraft, e Morte Cerebral, uma das primeiras obras de Peter Jackson produzida ainda na Nova Zelândia em 1992.