Episódio #9 - Especial Star Wars

O Regresso de Jedi foi para o Star Wars o que o Indiana Jones e o Templo Perdido foi para o Indiana Jones. Mal amados na mitologia das suas respectivas sagas mas, em ambos os casos, os meus filmes de entrada nestes universos que me definiram os gostos cinéfilos em tenra idade. É por isso que nunca conseguirei deixar de gostar de ambos com um travo nostálgico incontornável. Mesmo percebendo que, exceptuando o primeiro acto, O Regresso de Jedi é um remake do Star Wars original. Mesmo abandonando Han Solo a Falcão Milenar durante quase todo o filme. Mesmo havendo Ewoks.

O que sobra, perguntarão vocês? Bom, deixem-me tentar começar a defesa deste capítulo: Jabba, The Hutt, Han Solo em carbonite, Leia escrava, Luke Jedi da cabeça aos pés num fato preto estiloso, os Bothans que morreram para trazer os planos, finalmente o Imperador, a morte de Yoda, a batalha de Luke com Darth Vader, as motas voadoras, as motas voadoras e as motas voadoras.

E os Ewoks nunca me incomodaram verdadeiramente, tenho de confessar. Na inocência da primeira visualização, a sua vitória sobre o Império fazia todo o sentido. Pode não ser o melhor nem o mais sofisticado dos episódios mas é sem dúvida um excelente divertimento e foi sem dúvida nenhuma uma óptima porta de entrada para o que se revelou ser um fenómeno duradouro ainda com mais capítulos pela frente, bem como o início do vício de ler as "novelizações" da Europa-América dos meus filmes favoritos.

Depois o "episódio VI" que aparecia no princípio do filme, singela entrada em prometida saga épica de, pelo menos nove episódios, informava-nos que havia muito mais para ver. Acredito que a decisão do George Lucas de ter colocado o famoso Episódio IV e o subtítulo Uma Nova Esperança na reposição do Star Wars original em 1981 foi um dos mais importantes momentos para a mitificação da série. O poder do desconhecido inflama a curiosidade e a imaginação. Estava longe de imaginar que seria esse poder um dos maiores problemas das prequelas, mas isso fica para daqui a nada.

Depois do fascínio provocado por O Regresso de Jedi, os anteriores filmes do Star Wars foram, durante algum tempo, coisas de mitos e histórias passadas de boca em boca. Video-gravadores eram, na minha realidade, uma miragem distante e a promessa de aventuras anteriores das personagens que tinha conhecido eram um santo gral que se tornou imperativo cobiçar. Alguns felizardos tinham visto e, no recreio da escola, contavam cenas de abrir o apetite. Outros, mais tarde desmascarados perante a evidência dos filmes, contavam histórias mirabolantes saídas das suas imaginações férteis: ainda hoje me lembro de uma suposta cena d’O Império Contra-Ataca que uma mente precocemente enganadora contava onde o imperador assassinava um rebelde ligando um sabre de luz encostado à sua barriga. Imagem tão poderosa quanto fictícia.

Foi, então, só em transmissões televisivas, em versões Pan & Scan mutiladas que vi os episódios IV e V, por esta ordem. Uma Nova Esperança, prometia agora George Lucas na re-baptizada A Guerra das Estrelas. E, apesar de não ser o primeiro capítulo da sua planeada saga, foi onde tudo começou na realidade.

Com uma personagem central, Luke Skywalker, com que todas as crianças sonhadoras se podiam identificar, lançada para o meio de um conflito em progresso num mundo fantástico mas vivido, complementado por um punhado de personagens indeléveis, Star Wars acerta em todos os requisitos de uma aventura espacial e operática, transformando o seu relutante protagonista no herói salvador da galáxia, lutando contra a encarnação do mal na figura perene de Darth Vader.

Decisivo na povoação do meu imaginário seria, sem dúvida nenhuma, o design das naves espaciais. Além da popularíssima Falcão Milenar e dos incontornáveis Tie-Fighters, foi o design da X-Wing que alimentou muitas horas de daydreaming em que me movia no universo do Star Wars sempre ao comando de uma destas naves, numa luta incessante contra as forças do mal. Mesmo em tenra idade reconheci que foi mais tarde que Star Wars ganhou profundidade dramática, mas é inegável o charme do original.

Finalmente, à terceira, a peça do puzzle que faltava. O Império Contra-Ataca foi o último filme da trilogia original que vi. É aqui que o template esboçado no filme original é aprofundado com o desenvolvimento das personagens e das suas relações na construção de um épico edipiano onde a luta entre o bem e o mal à larga escala é traduzida numa batalha pessoal e familiar com os pecados dos pais a lançar uma sombra sobre os filhos, as suas opções, as suas escolhas e, subsequentemente, o seu destino.

O Império Contra-Ataca introduz também a icónica personagem Yoda, o guerreiro guru, um dos últimos vestígios da grandeza dos guerreiros Jedi, que irá contrariadamente treinar Luke. Yoda é uma criação inspirada que ajudou Star Wars a tornar-se um fenómeno cultural e a instalar-se no consciente colectivo tornando-se numa figura universal, símbolo de sabedoria, inteligência e iluminação.

Outro factor importante para o sucesso do filme é o romance à flor da pele entre os antagonistas Han Solo e princesa Leia, dramaticamente acelerado e interrompido ao mesmo tempo pela traição de Lando Calrissianm na famosa cena do congelamento em carbonite, oferecendo simultaneamente um vilão de segunda linha de culto, Bobba Fett, e um final amargo que, sem o capítulo seguinte, deixa a história sem uma conclusão concreta.

O Império Contra-Ataca é tão icónico que se tornou na referência para todos os segundos capítulos de qualquer trilogia. Mais adulto, um pouco mais negro, elevando dramaticamente a parada, obrigando o espectador a conhecer o contexto do primeiro, A Guerra das Estrelas, e deixando-o em pulgas para a conclusão, O Regresso de Jedi.


Quando estrearam em 1997 as edições especiais do Star Wars fiquei radiante: esta era a oportunidade de ouro para ver os filmes no cinema. E ainda para mais com cenas revistas e aumentadas. Só podia ser uma boa ideia! Afinal de contas, por esta altura, apesar de fenómeno cultural, não tínhamos Star Wars em cada esquina, nem sequer havia a promessa de mais filmes no horizonte, pelo menos que fosse do conhecimento geral.

Assim, vi A Guerra das Estrelas no balcão do desaparecido Condes e os restantes nas salas secundárias do Monumental. Mais um cliente satisfeito, ainda para mais quando, na Valentim de Carvalho do Rossio, encontro a edição prateada destas versões dos filmes em VHS. A edição prateada significava que teria finalmente o Star Wars em formato panorâmico e em toda a sua glória.

Na altura achei as alterações irrelevantes e gostei do lifting cosmético digital. Foi só com o tempo, com a insistência de George Lucas em remexer e alterar e com a sua vontade em suprimir os filmes na sua forma original, que comecei a ficar desconfortável com as edições especiais. Especialmente porque as minhas cópias em VHS se deterioraram com o tempo. Consegui mais tarde, na Edição Limitada em DVD as versões originais dos filmes, não remasterizadas por teimosia do seu autor. Ainda assim, e porque não é picuinhas quem quer, ainda persigo uma cópia em formato widescreen da versão d’A Guerra das Estrelas da reposição de 81 com o Episódio IV e o subtítulo, porque a minha, sendo a original de 77, não tem.

Mas não vos aborreço mais com os meus traumas pessoais. Vou apenas comentar resumidamente as alterações mais significativas. Toda a sequência da chegada a Mos Eisley foi palco para a experimentação digital que, agora sabemos, George Lucas levou a cabo com as prequelas em vista. Gags gratuitos e animais de grande porte à frente (e atras) da acção principal, distraem e deixam saudades do minimalismo original. É aqui também que ocorrem duas das mais polémicas alterações: o disparo inexistente de Greedo, antes de ser atingido por Han Solo e a famosa conversa entre este e Jabba The Hutt. Na primeira entende-se que Lucas queria limar um pouco as arestas da personagem mas minimiza o seu arco na trilogia, de pirata mercenário a membro da resistência e fiel amigo. A segunda é uma curiosidade que, incluída no filme, torna-se redundante porque é revelada exatamente a mesma informação que na mencionada cena com Greedo anteriormente.

O Império Contra-Ataca é o filme que menos sofre com a edição especial, com destaque para a criatura wampa digital a complementar a sequência inicial, e o lifting à cidade das nuvens a não interferirem sobremaneira na apreciação do filme. O mesmo não se poderá dizer mais tarde, nas edições em DVD após as prequelas, quando a transmissão entre Darth Vader e o imperador vê o actor que interpreta este último a ser substituído e o diálogo a ser alterado para forçar a continuidade entre trilogias.

N’O Regresso de Jedi temos a inexplicável alteração do número musical no palácio do Jabba. Irrelevante e injustificado, bem como a sequência final da celebração da vitória dos Ewoks. Mais tarde, em DVD, também esta cena seria alterada por questões de continuidade, acrescentando-se às celebrações locais que visitamos nas prequelas, bem como alterando o actor que interpreta Anakin Skywalker em espírito por Hayden Christensen em mais uma alteração polémica e completamente incompreensível para quem não vir as prequelas. 

É notório que, actualmente, não sou fã das versões remexidas. Não comento sequer alterações nas versões em Blu-Ray pois, para mim, não existem. Tanto quanto sei, Darth Vader decide sacrificar o imperador num momento de introspecção silenciosa.


Sobre as prequelas muito já foi dito, justa e injustamente. É fascinante como a expectativa de adorar algo pode ser de tal forma poderosa convertendo-se no seu oposto. Ninguém que fala mal das prequelas não queria adorar aqueles filmes. As razões serão as mais variadas e eu vou tentar avançar com as minhas: o maior problema das prequelas está nas promessas que se encontram encerradas na própria trilogia original do que elas seriam. O mistério do que ficou por contar. As lendas, os mitos e os pontos de vista que ficaram por esclarecer. De certa forma, sem que disso tenha qualquer culpa, George Lucas falhou na missão de construir a história que correspondesse às milhões de expectativas diferentes, tantas quantos os fãs que sonharam com o Star Wars desde miúdos.

Isso já acontecera na trilogia original. A diferença é que não havia expectativas para gorar. Uma narrativa constrói-se, em fuga, para a frente. Assim, é irrelevante que Darth Vader não fosse pai de Luke na concepção original do Star Wars, nem que Leia não fosse sua irmã. Estas revelações funcionam pois têm a sua origem na mitologia do passado obscuro, contadas oralmente sob um certo ponto de vista. Além disso não desfazem nenhuma construção basilar da narrativa como um todo, tornando-a, aliás, numa saga tão pessoal como universal.

E já que falo do pessoal, o que não funcionou desde o início, para mim, foram as inconsistências entre a trilogia original e a mitificação do passado que tinha construído na minha cabeça. Concretamente a origem de Anakin Skywalker, o seu caracter, as suas relações pessoais e a sua queda para o lado negro da Força. A amargura do tio de Luke, Owen, revelava o peso da perda de um irmão pela sua impetuosidade e ambição. Por ser aventureiro e destemido. Por ter perseguido o seu sonho, em oposição à natureza de Owen mais conformista e trabalhadora. O que acontece nas prequelas? Owen é meio-irmão que se cruza com Anakin uma vez na sua vida. 

Depois existem uma série de inconsistências com Obi-Wan. Este revela a Luke que o seu pai lhe deixou o sabre de luz. Mentira. Depois revela-lhe que não usava o nome Obi-Wan desde muito antes de Luke ter nascido. Mentira. Refere que Yoda foi seu mestre. Mentira, foi Qui-Gon. Se a isto acrescentarmos os acontecimentos da trilogia original, onde Obi-Wan tinha revelado que Darth Vader tinha morto o pai de Luke, das três uma: ou é muito mentiroso, ou muito esquecido, ou Lucas reinventou o passado sugerido pelos filmes originais.

Compreendo que tudo isto pareça insignificante, como por exemplo Leia revelar n’O Regresso de Jedi, que se lembra da sua mãe que morreu no parto, mas não o é para mim. O mundo de possibilidades do MEU Star Wars era infinitamente mais rico. É possível que George Lucas tenha feito exactamente o que queria fazer, e quem o pode censurar? Mas com J.J. Abrams agora o poder é dos fãs. Tudo o que temos visto até agora demonstra que O Despertar da Força está a ser nutrido por um fã com os fãs em mente. Ainda não foi dado um passo em falso, com informação, imagens, trailers e merchandising a pingar consistentemente e a revelar pérolas para os fãs mais ferrenhos, tais como a incorporação nos figurinos de desenhos de Ralph McQuarrie não usados na trilogia original.

E com os episódios VIII e IX, e spin-offs já alinhados, o céu é o limite. Mas um passo de cada vez. Esta semana vamos saber se estamos no caminho certo para Star Wars ser cada vez mais um elemento presente nas nossas vidas.

Episódio #9.5 - Bónus - Star Wars - O Despertar da Força

Episódio #8 - Hannibal / Wet Hot American Summer