A Beleza não é tudo. É a única coisa.

A Beleza não é tudo. É a única coisa.

Este texto foi publicado originalmente na Take Cinema Magazine dia 19 de agosto de 2016 com o título O Demónio de Néon e pode ser lido na íntegra aqui.

Nicolas Winding Refn é um provocador. Ou pelo menos tenta ser. Compatriota de Lars Von Trier tem-se esforçado por chocar público e crítica. Tendo sido consagrado em Cannes pela realização de Drive – Risco Duplo, em 2011, alienou imediatamente meio-mundo com Só Deus Perdoa, não conseguindo capitalizar o regresso de Ryan Goslin como protagonista principal. As suas conferencias de imprensa e entrevistas revelam uma personalidade enfatuada com ela própria, arrogante e presunçosa. O que é muito mais fácil de aceitar quando a sua obra está à altura das suas palavras.

O Demónio de Néon parte de uma premissa banal e muito vista: Elle Fanning é Jesse, uma jovem ingénua recém chegada a Los Angeles com ambições de se tornar modelo, mas qual o preço a pagar para o conseguir? Apesar desta premissa rapidamente nos encontramos fora de pé no que respeita a qualquer expectativa que possamos ter sobre o desenrolar da narrativa. Refn aproveita o contexto da moda para desenhar sequências de grande beleza plástica e somos presenteados com um festim visual e sonoro com mais uma brilhante banda sonora de Cliff Martinez a complementar a força das imagens.

Mas Refn, ao convidar a comparação com Mulholand Drive de David Lynch, coloca-se numa posição difícil, ainda para mais porque, apesar do pesadelo quase onírico da segunda parte do filme, as suas intenções temáticas são óbvias e pouco subtis. Los Angeles é uma selva urbana povoada por predadores e a superficialidade do mundo da moda pode corromper quem se deixa ofuscar por ela. A rivalidade é uma questão de sobrevivência e num mundo de predadores, basta uma distração e uma pessoa pode ser comida. Literalmente.

O Demónio de Néon vai chocar muitas pessoas, mas é como sermos ofendidos por uma criança mal comportada. No fundo só quer a nossa atenção. Quando na recta final o sangue começa a jorrar, pelo meio da necrofilia e do canibalismo, percebemos que estamos perante um filme deexploitation. O horror não é subtil nem metafórico mas sim explícito e literal e Refn, afinal, deve mais ao giallo de Dario Argento do que ao surrealismo de David Lynch. A lua é testemunha do derradeiro acto vampiresco onde o sacrifício acontece para perpetuar a beleza. Afinal, tal como um protagonista revela a determinado momento, “a beleza não é tudo, é a única coisa”.

Podem subscrever estes artigos e o podcast na barra lateral, seguir-me no FACEBOOK e no INSTAGRAM e enviem-me as vossas opiniões e sugestões para SEGUNDOTAKE@GMAIL.COM. Encontram também críticas e artigos da minha autoria na Take Cinema Magazine.

Taxi Driver está de parabéns

Taxi Driver está de parabéns

Mesmo quando pensavam que era seguro entrar novamente na água…

Mesmo quando pensavam que era seguro entrar novamente na água…