Prince: chove púrpura e as pombas choram...

Prince: chove púrpura e as pombas choram...

Pronto, tornei-me numa daquelas pessoas.

Tornei-me numa daquelas pessoas que ouve a música de um artista quando este morre. Ainda não dá para acreditar mas o artista que conhecíamos como Prince desapareceu inesperadamente. Não sei porquê mas desta vez senti a notícia. E senti o impulso de revisitar a sua música. Talvez o efeito acumulativo deste sinistro ano de 2016. Ou a minha enraizada, mas pouco praticada, apreciação da sua música. Passei tanto tempo da minha vida à procura do sublime nas franjas da cultura popular que banalizei e ignorei muitos dos génios que habitam o centro dessa cultura. O núcleo à volta do qual os outros gravitam. É verdade que a música de Prince não tem sido relevante nas últimas duas décadas, em contas de merceeiro, mas o que fez até então foi suficiente para o imortalizar.

Ao ouvir agora algumas das suas músicas mais populares reconhecem-se alguns hinos da década de oitenta: Purple Rain, When The Doves Cry, You Got The Look, Kiss, entre muitas outras. Mas o "meu" Prince é o que vai desde a banda sonora do Batman (por razões óbvias, de tão demolidora que foi a pegada cultural deste filme), passa por Diamonds and Pearls e culmina no "Álbum do Símbolo". A hiper-sexualização do seu universo, que sentia ser transgressor em tenra idade da adolescência, e a forma confiante como projectava a sua imagem e persona traduziam-se em cocktails explosivos de música funk contagiantes mesmo para um pseudo-alternativo com pretensões de ter uma selectiva dieta cinéfila e musical.

Get Off, Cream, My Name is Prince, Sexy MF ou Peach são momentos essenciais da minha banda sonora de vida que oiço de novo com um inesperado peso no coração e, apesar de saber que o homem desapareceu, sinto que, com o seu legado, o mundo será sempre um lugar maior e melhor.

Richard Linklater: o último independente americano

Richard Linklater: o último independente americano

Duelo Imortal celebra 30 anos

Duelo Imortal celebra 30 anos